Leopardo bebê amamentado e protegido pela mãe leoa na adoção entre espécies que surpreendeu os cientistas

Curiosidades

Written by:

Stotra Chakrabarti estuda de perto os leões no Parque Nacional Gir, na Índia, há sete anos. Mas cerca de um ano atrás, a especialista em comportamento animal notou algo extremamente incomum: uma das leoas do parque havia adotado um bebê leopardo órfão como seu.

Por um mês e meio, Chakrabarti e sua equipe observaram a relação entre a mãe leoa e seu filhote de leopardo adotado e agora relataram sobre a rara adoção de espécies cruzadas em um novo artigo publicado na semana passada no jornal de ecologia Ecosphere .

Como noticiou o The New York Times , os pesquisadores testemunharam a leoa cuidar e proteger o bebê leopardo junto com seus dois filhotes de leão biológicos. A leoa amamentou o bebê leopardo e alimentou-o com a carne de sua caça. As autoridades do parque também disseram que a mãe parecia protetora de seu bebê adotado, protegendo-o de outros leões na área.

Seus dois filhos biológicos também se adaptaram bem ao irmão malhado. Os pesquisadores observaram os filhotes correndo e brincando uns com os outros sem problemas. “Pareciam dois filhotes grandes e um pequenino filhote da ninhada”, disse Chakrabarti.

Embora as adoções entre espécies tenham sido documentadas na natureza antes, ainda são consideradas uma anomalia. É virtualmente inédito que ocorra entre populações animais que são fortes competidores dentro do mesmo ambiente, como os leões e leopardos de Gir.

Os grandes felinos de Gir, localizados no estado indiano de Gujarat, estão “em perpétua probabilidade”, explicou Chakrabarti, lutando por comida e território em todo o terreno de 545 milhas quadradas do parque. No entanto, aqui estava uma jovem mãe leoa cuidando de boa vontade de um bebê leopardo.

Leopardo e filhote de leão

Dheeraj MittalOs filhotes biológicos das leoas se davam bem com seu irmão leopardo adotivo.

Em um incidente semelhante em 2017 na Área de Conservação de Ngorongoro, na Tanzânia, uma leoa foi fotografada amamentando um filhote de leopardo na natureza. Mas os dois se separaram depois de apenas um dia. A recente adoção cruzada testemunhada pela equipe de Chakrabarti, entretanto, durou mais de um mês.

Nas fotos, as diferenças marcantes entre os filhotes de leão e seu irmão leopardo adotivo aparecem imediatamente. Ao contrário dos bebês leões, com seus casacos lisos cor de areia, o corpo inteiro do bebê leopardo estava coberto de manchas e tinha olhos azuis claros.

Essas diferenças se tornarão mais pronunciadas à medida que entrarem na idade adulta, quando também adotarão os comportamentos sociais de sua espécie – que são bastante diferentes uns dos outros.

No entanto, até então, os comportamentos das duas espécies – incluindo a maneira como imploram por leite – são semelhantes. Talvez seja por isso que o bebê leopardo foi capaz de se encaixar perfeitamente na unidade familiar da mãe leoa.

Imagens da leoa com seu filhote de leopardo adotado no Parque Nacional de Gir.

Outro fator que explica esse evento raro é que as leoas asiáticas geralmente se separam do resto da matilha por alguns meses para criar seus filhotes por conta própria. O fato de que o bebê leopardo só precisava ser aceito pela pequena creche da mãe facilitou muito a adoção. Se isso tivesse acontecido enquanto a mãe e seus filhotes ainda estavam ligados ao bando, os outros leões adultos podem ter rejeitado o filhote de leopardo como um intruso.

No final das contas, os pesquisadores por trás do novo estudo não conseguiram identificar exatamente o que levou a mãe leoa a acolher o órfão malhado. Mas há uma teoria provável baseada em outras adoções interespécies na natureza que aconteceram no passado.

Leopardo amamentando em leão

PantheraUm leão cuidando de um filhote de leopardo em um incidente semelhante de cooperação entre espécies dentro da Área de Conservação de Ngorogoro, na Tanzânia, em 2017.

Em 2004, um grupo de macacos-prego no Brasil pegou um sagüi bebê.

Uma década depois, na Polinésia Francesa, outro estudo documentou uma família de golfinhos nariz de garrafa que adotou uma baleia com cabeça de melão. O filhote de baleia ainda captou o comportamento de sua família adotiva, pulando e surfando como se fosse um deles.

De acordo com Patrícia Izar, professora associada da Universidade de São Paulo e coautora do estudo de adoção do sagui-prego, cada caso envolveu mães lactantes que acolheram bebês vadios. A suposição é que as mudanças hormonais que ocorrem durante a maternidade nos animais “podem facilitar o vínculo com um bebê estranho.” Mas isso é apenas uma hipótese.

O que quer que possa ter desencadeado a improvável adoção do bebê leopardo, não durou muito. Após 45 dias, a equipe de pesquisa encontrou o cadáver do filhote de leopardo perto de um bebedouro no parque. Uma necrópsia de campo realizada no bebê leopardo sem vida mostrou que ele provavelmente morrera devido a um defeito de nascença: uma hérnia femoral.

“Teria sido fantástico ver, quando o filhote de leopardo crescesse, como as coisas seriam”, ponderou Chakrabarti. “Mas isso não aconteceu.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *